sexta-feira, 4 de setembro de 2009

A cage or the heaviest cross ever made.


morro com a mesma cara de menina travessa

como quem pede um pacto de pele post mortem

a clamar por um elogio funebre que me enalteça

a tapar os ouvidos a quem souber a verdade


ouço air ou sigur ros

com as mãos cruzadas sobre o peito

onde ainda trago esta terra fecunda

que nunca chegou a germinar


e nem sinal de flashbacks ou viagens no tempo

nem sombra de recordações em espiral

só uma luz tremeluzente a antever

uma eternidade ás escuras.


3 comentários:

Mónica Marques disse...

email?

Vanessa disse...

air ou sigur rós... morre-se nas nuvens... :) *

la vrait vie est absent... disse...

saudades

morreremos os dois...

à maneira da nossa querida Virginia...
è tão mais romantico....